Informação para a Indústria de Construção Civil, Obras Públicas e setor mineiro

É necessário disponibilizar recursos humanos, tecnológicos e financeiros às Empresas

Manuel Reis Campos, presidente da Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas (AICCOPN)17/07/2023
O Banco de Portugal, no Boletim Económico de junho, reviu em alta as estimativas para a evolução da economia portuguesa, perspetivando um crescimento de 2,7% do PIB, em 2023, mais 0,9 pontos percentuais (p.p.) que o previsto em março. No que concerne ao investimento público prevê-se um forte impulso de 25%, em 2023, e de 7% nos anos seguintes, determinado pelo financiamento por fundos comunitários.
Imagen

Efetivamente, no mercado das obras públicas, nos primeiros 5 meses do ano, observou-se um expressivo crescimento dos principais indicadores. O montante dos concursos de empreitadas de obras públicas promovidos totalizou 2.655 milhões de euros, o que traduz um expressivo crescimento de 78%, face aos 1.489 milhões de euros apurados no período homólogo. Relativamente, ao total de contratos celebrados, neste período, ascendeu a 1.110 milhões de euros, o que corresponde a um acréscimo de 47%, em termos de variação homóloga temporalmente comparável.

Deste modo, perante o arranque efetivo de um volume significativo de obras públicas, designadamente em habitação e em infraestruturas, o País tem que garantir a disponibilização de meios humanos, tecnológicos e financeiros que permitam uma correta capacitação das empresas nacionais.

Contudo, no Setor da Construção e do Imobiliário, a falta de mão-de-obra, estimada em cerca de 80 mil trabalhadores, tem condicionado significativamente a atividade das empresas. De acordo com o último inquérito à situação do setor realizado aos Associados, este problema afetava 66% das empresas que trabalham no segmento das obras públicas e 78% das empresas do segmento das obras privadas, pelo que, é essencial acelerar a concretização da mobilidade transnacional da mão-de-obra, designadamente a oriunda dos PALOPs, e promover um melhor alinhamento da Formação Profissional com o mercado de trabalho.

Com efeito, tendo em consideração o atual nível de desempregados inscritos nos Centros de Emprego do IEFP, é evidente a necessidade de uma maior aposta na valorização dos centros de formação de excelência do Setor, como o CICCOPN e o CENFIC, de modo a fomentar a criação de mais emprego qualificado, satisfazendo necessidades urgentes do Setor, ao mesmo tempo que promoveria a redução do número de desempregados.

No domínio tecnológico, as empresas do Setor da Construção e do Imobiliário encontram-se, atualmente, perante o desafio de adaptação à 4.ª Revolução Industrial, a denominada Construção 4.0, que se afirma como o caminho natural para o aumento da competitividade e produtividade.

Neste âmbito, há também que salientar que, o crescente reconhecimento das alterações climáticas no planeta e, consequentemente, necessidade de adoção de políticas de desenvolvimento sustentável, como a gestão eficaz dos resíduos de construção e demolição, bem como a sua valorização e desenvolvimento de plataformas colaborativas, o desenvolvimento do mercado das matérias primas-secundárias, a incorporação de materiais reciclados nas empreitadas de obras públicas e particulares, a avaliação do ciclo de vida dos edifícios, a concretização de projetos de conceção que já acautelam a “futura” desconstrução em nova construção, exigem uma aposta por parte dos empresários em inovação.

O recurso à tecnologia e a sua integração na atividade das empresas, são, atualmente, os reais motores do progresso nas sociedades modernas, pelo que, a construção off-site ou modular, a capacitação dos recursos humanos, a procura de soluções inteligentes e sustentáveis, constituem realidades incontornáveis. No entanto, esta “revolução” tecnológica e digital tem custos iniciais consideráveis, pelo que, para abranger um tecido empresarial, maioritariamente composto por micro e pequenas empresas, há que incentivar e estimular esta evolução, permitindo empresas mais flexíveis, dinâmicas e operacionais.

A capacitação das empresas do setor da Construção e do Imobiliário, que se encontram sob pressão pela evolução da inflação e das taxas de juros, assume, assim, uma relevância acrescida enquanto de motor da economia e do emprego, para uma atempada concretização dos investimentos públicos previstos que o País necessita para convergir com os restantes países europeus.

REVISTAS

Siga-nosLisboa Feiras, Congressos e Eventos / Associação Empresarial (Smart Cities Summit - Fil - Tektónica)

NEWSLETTERS

  • Newsletter EngeObras

    14/02/2024

  • Newsletter EngeObras

    31/01/2024

Subscrever gratuitamente a Newsletter semanal - Ver exemplo

Password

Marcar todos

Autorizo o envio de newsletters e informações de interempresas.net

Autorizo o envio de comunicações de terceiros via interempresas.net

Li e aceito as condições do Aviso legal e da Política de Proteção de Dados

Responsable: Interempresas Media, S.L.U. Finalidades: Assinatura da(s) nossa(s) newsletter(s). Gerenciamento de contas de usuários. Envio de e-mails relacionados a ele ou relacionados a interesses semelhantes ou associados.Conservação: durante o relacionamento com você, ou enquanto for necessário para realizar os propósitos especificados. Atribuição: Os dados podem ser transferidos para outras empresas do grupo por motivos de gestão interna. Derechos: Acceso, rectificación, oposición, supresión, portabilidad, limitación del tratatamiento y decisiones automatizadas: entre em contato com nosso DPO. Si considera que el tratamiento no se ajusta a la normativa vigente, puede presentar reclamación ante la AEPD. Mais informação: Política de Proteção de Dados

www.engeobras.pt

Engeobras - Informação para a Indústria de Construção Civil, Obras Públicas e setor mineiro

Estatuto Editorial